Cultura

Folclore

Intervenção e as raízes da violência

raízes da violência
O decreto que institui a intervenção federal na segurança do Rio de Janeiro chegou ao Senado Federal, onde deverá ser votado em plenário ainda hoje.

O projeto recebeu o número 4, de 2018, e “decreta intervenção federal no Estado do Rio de Janeiro com o objetivo de pôr termo ao grave comprometimento da ordem pública”.

Atualização (0h14)O plenário do Senado Federal aprovou pouco antes da meia-noite desta terça-feira (20) o decreto do presidente da República, Michel Temer, que impõe intervenção do governo federal na área de segurança pública do estado do Rio de Janeiro. Foram 55 votos a favor, 13 contrários e uma abstenção. A matéria será promulgada.

Mas até que ponto a violência atingiu este grau de extremismo, poderemos ler nos artigos Raízes da Violência - uma introdução ao assunto, onde destacamos os seguinte trecho:

"...A falta e a questão dos limites gerando comportamentos aditivos: uso de substâncias psicoativas (álcool, drogas, ...), jogo patológico, obesidade, hiperatividade sexual, uso do computador (estimulando receptores dopaminérgicos, principalmente no sistema meso-córtico-límbico)..."


"... Frustrações escassas não desenvolvem a noção de limites e, quando exageradas, injustas e/ou incoerentes, provocam o predomínio do ódio e da violência sobre os sentimentos amorosos..." 

Nos dias atuais em que as relações tendem a impessoalidade e ao individualismo, são essas as ponderações que entendo adequadas a este espaço.

Longe de tê-las como soluções definitivas, mas que, de uma forma ou de outra, promovam a reflexão e o questionamento.

Eva Sopher, uma estrela no firmamento do Rio Grande

uma estrela no céuEva Sopher morreu aos 94 anos na noite da última quinta-  feira.

Mais uma imigrante alemã, que adotando as terras gaúchas como seu chão, fez a diferença, é mais uma estrela que se faz presente no firmamento do céu do Rio Grande, todas as palavras ditas seriam menores do que representou para nossa cultura. 

Atravessou o Atlantico, enfrentou dificuldades, mas se manteve ao largo de governos e ideologias, foi uma ardorosa defensora das artes e do tradicional Theatro São Pedro, em Porto Alegre, 


Ela trabalhou em defesa do teatro por 42 anos enquanto presidiu a fundação à frente do local. Graças ao seu trabalho, o histórico teatro, inaugurado em 1858, reabriu à comunidade em 1984 após reformas. O complexo cultural de 18.000 m², erguido recentemente junto à estrutura do teatro para ampliar o espaço à cultura levará também o nome de Eva Sopher.

"Capaz"


bem capaz Menos conhecida do que a interjeição "Bah", a expressão "Capaz" – em suas múltiplas e talvez inesgotáveis aplicações – é uma das coisas mais esquisitas e mais insubstituivelmente úteis do dialeto sul-rio-grandense. 

Por sinal, só descobri que o nosso "Bem capaz" era um exemplo de fala regional quando tinha já 30 e tantos anos. Até então, achava que fosse uma expressão universal e que provavelmente haveria um equivalente em mandarim. (O mesmo ocorreu com certa expressão que só os bajeenses entendem e que para o resto da espécie é hermética: Ué-saia. Mas isso é assunto para outro momento.)

Num primeiro patamar semântico, esse "Capaz" dialetal quer dizer "possível". Nesse caso, é voz comum em várias partes do Brasil. A acepção aparece lá nas profundezas de um verbete no Aurélio – mas não no Houaiss. Segundo o estimado dicionário, o "capaz" como índice de possibilidade também ocorre em Angola e Moçambique. Aqui vai um exemplo simples:

– É capaz que eu vá hoje na festa.

Ou seja: Não garanto, mas é possível, ou até provável, que eu vá.

Contudo, com breves mudanças na frase, a palavra adquire entre nós o significado oposto – e aí diversão começa. Se eu eliminar a oração principal e colocar o verbo no subjuntivo, com um ponto de exclamação, assim:

– Capaz que eu vou nessa festa!

Então o significado pode ser, dependendo da entonação:

– De jeito nenhum eu vou nessa festa!

Ou melhor:

– Que coisa mais absurda alguém sequer cogitar que eu vá nessa festa!

Esse significado de negação enfática pode ser intensificado com a adição de "mas" ou "bem", ou ambas as coisas, no início da frase. Por exemplo:

– Mas capaz que eu vou nessa festa!

– Bem capaz que eu vou nessa festa!

– Mas bem capaz que eu vou nessa festa!

"Bem capaz", sozinho na frase, sempre tem esse sentido de uma aniquilação absoluta de possibilidades. O "Bem capaz" é a nêmesis de um assunto: encerra-o com veemência de guilhotina. Uma vez pronunciado, não há mais volta. É preciso frisar: o "Bem capaz" não significa, aqui, mera imprecisão ou vaga probabilidade. Significa um "não" exacerbado, um golpe de gládio sobre o nó górdio do possível.

– Vais à praia?

– Bem capaz!

Ou seja, não vou de jeito nenhum, não vou nem morto à praia, quero distância da praia, abomino o som da palavra praia. Bem capaz que eu vou pra praia!

Mas isso nem sempre soa brutal; às vezes aparece como uma forma de camaradagem agressiva e bonachona:

– Eu acho que bebi demais ontem de noite e incomodei vocês.

– Bem capaz, meu!

O que significa:

– Nem pense nisso, esqueça! (Mas esqueça mesmo, senão apanha.)

Seguindo a mesma progressão, "Capaz" ou "Bem capaz" podem significar "De nada":

– Bah, muito obrigado por me salvar daquela cruzeira!

– Capaz! (Ou seja: não precisa agradecer, foi um prazer afugentar o ofídio.)

E também como resposta universalmente misericordiosa a um pedido de desculpas:

– Foi mal. Estraguei tudo. Desculpa aí.

– Capaz!

Esse último significando: não precisa pedir desculpas, mas, já que pediu, está desculpado, e não se fala mais nisso. Nesse sentido, o "Capaz" se parece com o uso que se faz, em várias partes do Brasil, da expressão "Imagina!".

"Capaz" – sem o "bem" na frente – também pode significar "como assim", coisa que muitos gaúchos não notam e usam sem perceber:

– Meu filho quebrou a perna.

– Capaz?

Ou também:

– Capaz que vocês se separaram!

Agora, significando:

– Como assim, vocês se separaram?

É possível que o uso negativo do "Capaz" tenha começado como forma de ironia. Por exemplo, quando alguém nos faz uma pergunta cuja resposta é evidente, e então dizemos o contrário do que queremos dizer:

– Vais no show?

– Claaaro que vou! Nossa, já tô indo!

Significando: não há a menor chance de que eu vá nesse show e me espanta que alguém me pergunte isso. Um dado curioso: o alongamento da primeira sílaba desse Claaaro irônico tem o mesmo sentido de eloquência destruidora que damos ao Beeeem capaz.

Todas essas variações de sentido, oscilando às vezes entre antípodas semânticos, dependem das nuances da fala. Há momentos transcendentais, em que o próprio tecido do espaço-tempo é desafiado. "Capaz que não": dependendo da entonação, pode significar "Talvez não" ou "Absolutamente sim".

Após tornar público meu interesse pelo assunto, leitores de diversos lugares do Brasil me informaram que o "capaz" como negação também se encontra no Paraná, em Santa Catarina, no interior de São Paulo (não na capital), em Minas e Goiás. Haverá algum vínculo entre essas transmigrações de sentido e as antigas rotas do tropeirismo pelo interior do Brasil? Capaz que sim. Capaz que não.



Por José Francisco Botelho
Autor de "A Árvore que Falava Aramaico", tradutor de "Romeu e Julieta", entre outros

50 Anos do maior desastre ferroviário do RS

O choque de trens aconteceu em 1968 e causou mais de 50 mortes no local


Esse acidente, pelas informações que se tem, aconteceu no trecho da ferrovia que vai de Montenegro a Lajeado, próximo à estação Fanfa, no município de Triunfo, perto da ponte ferroviária sobre o rio Taquari. Deve ter sido o acidente ocorrido na localidade de Fanfa, o mais grave acidente ferroviário acontecido no Rio Grande do Sul.

Tragédia FerroviáriaUm trem cargueiro avan­ça em alta velocidade e colide vi­olentamente com os dois vagões de passageiros de um trem misto que fazia o trajeto de Porto Alegre a General Câmara, o pior acidente ferroviário da história do Rio Grande do Sul, 48 mortos e mais de 60 feridos que ficaram marca­dos física e psicologicamente para sempre.

"Eu me lembro daquele trágico acidente de Fanfa onde dezenas morreram. Ainda recordo do chefe da estação passando correndo frente à casa do meu tio em direção ao hospital para avisar do ocorrido. Eu era guri na época, alguma coisa eu me lembro do que foi o maior acidente de trem do RS. Um trem se não me engano carregado de paralelepípedos não parou num cruzamento e chocou-se com o trem misto que vinha de Porto Alegre. A maioria das pessoas trabalhava na capital ou retornava para passar o fim de semana, não lembro bem isto deve ter ocorrido em meados de 1967 ou 1968. Falavam na época que o maquinista do cargueiro teria dormido ao passar por uma estação onde receberia ordem para parar a 100 m do entroncamento. Sei que o maquinista não foi julgado e o crime prescreveu (30 anos)" (Cesar A. S. Pereira, Pântano Grande, RS, 04/2007). 

Foram, na verdade, 68 mortos e 60 feridos no dia 27 de janeiro de 1968. O trem misto, apelidado de "Leiteiro", colidiu com um cargueiro de 689 toneladas próximo ao bairro de Porto Batista, às 17h50 e a cerca de 100 m da estação de Fanfa, atingindo dois carros de passageiros. A estação deixou de receber trens de passageiros em fevereiro de 1996, quando estes foram suprimidos entre Porto Alegre e Uruguaiana. Está razoavelmente conservada em 2015 e servindo como moradia.

(Fontes: Victor Hugo Langaro; Bernardo Cerentini; Cesar A. S. Pereira; Claudio Arriens; Alfredo Rodrigues; IPHAE: Patrimônio Ferroviário do Rio Grande do Sul, 2002; Ariosto Borges Fortes: VFRGS, suas estações e paradas, 1962; Jornal Zero Hora, 1968; Guia Geral das Estradas de Ferro do Brasil, 1960; Guias Levi, 1940-81; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)

Marcello Caminha, o violeiro dos pampas





Resultado de imagem para marcello caminha
   Música tema do Projeto Imagens Saiba mais sobre o     projeto (shows, oficinas, produtos etc) no site             www.violaogaucho.com

      Letra: Anomar Danúbio Vieira Melodia e arranjo: Marcello Caminha Ritmo: milonga

O desafio do mate bagual x mate nutella

           Eis que o Guri de Uruguaiana resolveu fazer o desafio do século: mate bagual x mate nutella,  como seu adversário, o representante nutella do tradicionalismo, Licurgo. 

        Vamos acompanhar abaixo, no vídeo, o desafio, se você não rir, tenho serias dúvidas sobre seu bagualismo ou se és uma prenda formada.


Temperatura se aproxima dos 39°C nesta sexta no RS

calor no litoral norte RS
O calor vai se intensificar no Rio Grande do Sul nesta sexta-feira. De acordo com a MetSul Metereologia, uma massa de ar quente predomina e as máximas podem passar dos 38°C em partes do Centro, Oeste e Noroeste do Estado. No Litoral, o dia será de muito sol, calor e água cristalina, mas a partir do período da tarde, o vento Nordeste com rajadas moderadas atingem a região.

Os índices de radiação ultravioleta se mantêm em alta em todo território gaúcho. A umidade do ar aumenta e acentua a sensação de abafamento, especialmente na Metade Sul do Estado.

Em Porto Alegre, a sexta-feira será ensolarada e o calor deve atingir o seu máximo deste verão. A previsão é de marcas entre 18°C e 39°C na Capital – onde fez 38,5°C nesta quinta.

Fonte: CP

Fraport assume nesta terça administração do Aeroporto Salgado Filho

salgado filho
O Aeroporto Internacional Salgado Filho passa, a partir desta terça-feira, para a administração da Fraport, empresa alemã que assume as operações em decorrência do processo de concessões do governo federal.

O grupo pretende investir R$ 600 milhões no terminal até 2021. A Fraport administra 30 aeroportos em todo o mundo. No Brasil, além de Porto Alegre, ela também venceu a concessão em Fortaleza. A outorga pelo aeroporto gaúcho rendeu à Infraero R$ 382 milhões, com concessão por 25 anos, prorrogáveis por mais cinco. A administração compartilhada do terminal começou em fim de agosto e deve, na prática, se estender até março ou abril.

O programa de investimentos obrigatórios envolve a expansão do terminal para 36 mil metros quadrados, extensão da pista por pelo menos 920 metros, implementação de novos sistemas automáticos de gerenciamento de bagagens e de controle de segurança e 14 pontes de embarque de aeronaves.

Também prevê melhorias como a sinalização de terminais, iluminação externa para os acessos de rodovias, estacionamentos, terminais de carga e de passageiros, por exemplo. A ampliação da pista deve ser concluída em até 52 meses. Esse é o prazo limite, o que não impede que a obra possa ser finalizada antes.

Calor escaldante no Rio Grande do Sul

  A tarde deste sábado ficou entre as mais quentes do ano no Rio Grande do Sul. O fluxo de ar quente vindo de norte, induzido pela aproximação de uma frente fria que está na Argentina, contribuiu para o calor intenso. O sol forte e o ar seco também ajudaram a aumentar ainda mais a temperatura no estado.

Uruguaiana registrou a maior temperatura do Brasil neste sábado: 39,6°C, de acordo com as medições da estação automática do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET). Quaraí (38,6°C), Santa Maria (38,6°C), São Vicente do Sul (38,5°C), Campo Bom (38,3°C), São Borja (38,0°C), Alegrete (37,7°C), São Luiz Gonzaga (37,7°C), Bagé (37,6°C) e São Gabriel (37,6°C) ficaram entre as mais quentes do país no dia de hoje, considerando a rede automática do INMET.

A capital, Porto Alegre, teve 35,8°C. Foi a maior temperatura dentre todas as capitais brasileiras nesta tarde de sábado. Na estação automática do INMET, a umidade relativa chegou a apenas 30% por volta das 17h.

Amanhã, com a rápida passagem da frente fria, o Rio Grande do Sul volta a ter chuva. Na região de fronteira com o Uruguai pode chover já pela manhã. Nas demais áreas, chove apenas a partir da tarde. O dia ainda começa muito abafado em todo o estado, condição que favorece ainda mais a ocorrência de temporais durante a tarde.

A chegada de uma fraca massa de ar frio afasta as instabilidades do estado na segunda-feira e garante um amanhecer com temperaturas mais amenas. Mas o refresco é passageiro, pois já durante a tarde de segunda volta a fazer calor em praticamente todo o Rio Grande do Sul.

Campanha contra assédio sexual no transporte público

assédio sexaul
Além de ações educativas, também está prevista a colocação de cartazes em todos os ônibus com mensagem educativa e telefones para denúncias. 


Uma campanha contra o assédio sexual no transporte público foi lançada neste sábado (25) em um evento no bairro Restinga, na Zona Sul de Porto Alegre. A iniciativa é da prefeitura da capital gaúcha e das 12 empresas de ônibus, e ocorre no Dia Internacional contra a Violência de Gênero.

Além de ações educativas, também está prevista a colocação de cartazes em todos os ônibus com mensagem educativa e telefones para denúncias.

“O assédio sexual é uma atitude inaceitável, que merece todo o nosso repúdio. É fundamental o engajamento da população nesta campanha”, afirma o diretor-presidente da empresa, Marcelo Soletti.

A secretária interina de Desenvolvimento Social e Esporte, Denise Ries Russo, enfatiza que as vítimas precisam sentir segurança para denunciar os abusos. "Qualquer pessoa que presenciar uma situação de abuso em ônibus pode tomar uma atitude, desde informar ao cobrador e motorista até fazer a denúncia", explicou.

Segundo a coordenadora Municipal da Mulher, Fernanda Machado Inácio, a campanha busca a conscientização dos usuários dos coletivos para que denunciem as situações de assédio ocorridas dentro dos ônibus.


"Queremos mostrar ao público que este tipo de situação é um problema de todos os passageiros das linhas viárias da cidade", adiantou.


A campanha ocorre até o dia 10 de dezembro, período conhecido como 16 Dias de Ativismo contra a Violência de Gênero, iniciado em 1991 pelo Women's Global Leadership Institute. O objetivo é enfatizar que a violência contra a mulher é uma violação aos direitos humanos.

No Brasil, ações do gênero começaram a ser realizadas em 2002.

Governo federal repassa R$ 240 milhões para concluir segunda ponte do Guaíba

Rio Guaiba
A obra de construção da segunda ponte do Guaíba, no Rio Grande do Sul, receberá R$ 240 milhões do governo federal. O anúncio foi feito pelo ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, nesta quinta-feira. O ministro estará em Porto Alegre nesta sexta-feira para a oficialização dos recursos.

A obra foi incluída no Programa Avançar, do governo federal, lançado há duas semanas com o objetivo de finalizar mais de sete mil obras que estavam paralisadas em todo o Brasil.

De acordo com o ministro, as obras da ponte estão atualmente com cerca de 45% concluídas. "Com esses 240 milhões, pode chegar em 85% da obra. E aí, no ano que vem, a ideia é a gente conseguir uma dotação extra de novo para que a gente possa concluir”, explicou o ministro.

O ministro Padilha calcula que faltam R$ 345 milhões para a conclusão da segunda ponte. R$ 412 já foram pagos e o custo total é de R$ 757 milhões, conforme ele.

A nova ponte terá extensão de 2,7 quilômetros, que com as ligações complementares, pode chegar aos 3,5 quilômetros, passando por três ilhas.

Livros de volta à Alfândega

Feira terá 19 dias de atividades e receberá escritores nacionais e internacionais
63ª Feira do Livro começa hoje em Porto Alegre, está dada a largada. Aqueles que circularem pelo Centro da capital gaúcha a partir desta quarta-feira (1º) podem conferir a programação.
As atividades acontecem até o dia 19 de novembro - com tendas de livrarias, sessões de autógrafos, conversas com escritores nacionais e internacionais, oficinas e mesas de debates na Praça da Alfândega. É uma história que se renova a cada ano, desde 1955. A solenidade que marca o início das atividades ocorre no Teatro Carlos Urbim a partir das 19h e vai reunir a patrona desta edição, Valesca de Assis, convidados e a comunidade literária. 

Entretanto, o público pode conferir parte do programa desde o turno da manhã. Assim como nos outros dias, a parte infanto-juvenil funciona a partir das 9h; já a adulta começa a operar uma hora depois. 

A agenda inclui ações até as 20h30min. De acordo com o presidente da Câmara Rio-Grandense do Livro, Marco Cena Lopes, a mudança mais significativa é a estrutura física. Praticamente todas as atividades vão ocorrer na praça - em outros anos, o espaço destinado às atrações avançava em uma quadra após a Siqueira Campos. "Diminuir fisicamente acarreta em uma economia enorme", afirma. Conforme o organizador do evento, o orçamento deste ano é bem menor do que o de 2016. "Todo ano vem diminuindo", lamenta. 

Mesmo com o cenário desfavorável, Cena aponta que a programação da 63ª Feira é uma das melhores dos últimos anos. Os países escandinavos - Finlândia, Suécia, Noruega, Dinamarca e Islândia -, por exemplo, são homenageados pelo evento. Representantes da literatura produzida na região são algumas das atrações dos próximos dias. Já Mia Couto e Ondjaki, naturais de Moçambique e Angola, respectivamente, têm participação prevista para o dia 13. Os dois serão recebidos por Valesca de Assis para conversas sobre suas obras. Outro destaque da programação é Wole Soyink, considerado um dos principais autores africanos da atualidade. 

Vencedor do Nobel de Literatura em 1986, o nigeriano participará de uma conferência no Theatro São Pedro no dia 19 - em programação que inclui sessão de autógrafos de O leão e a joia. O escritor foi preso nos anos 1960 por tentar mediar a guerra civil em seu país, e hoje denuncia o grupo extremista islâmico Boko Haram. Ainda segundo Cena, a programação reflete o que está sendo discutido pela sociedade. "A feira é um livro, ela se escreve todo o dia. 

Fazemos o possível para trazer para dentro da programação o que está acontecendo do lado de fora, a partir da vinda de pessoas com embasamento", define. "Neste ano, se discutiu muito sobre diversidade, inclusão social. Vamos trazer escritores que deem uma colaboração, não importa de que lado eles estejam." Ao longo dos 19 dias, são convidados nomes como Conceição Evaristo, Gregório Duvivier, Lobão e Luiz Felipe Pondé, entre outros. A programação completa pode ser acessada pelo site da Feira. - 

Tramontina lança campanha publicitária tradicionalíssima

campanha publicitária

Diante das atuais campanhas publicitárias de algumas empresas promovendo a tal ‘ideologia de gênero’, a Tramontina resolveu se contrapor com uma campanha publicitária tradicionalíssima, onde o tema – Respeito pelo churrasco – e o personagem, 'o mestre churrasqueiro', tem um alcance bastante amplo, é a valorização da família.
   ‘Respeito pelo churrasco’ é o tema da campanha lançada pela Tramontina, uma marca conceituada em todo país e atualmente presente em mais 120 países. 

Tudo começou em 1911, quando Valentin Tramontina fundou uma pequena ferraria na cidade de Carlos Barbosa/RS. Uma empresa que notabilizou-se pelo investimento no capital humano, contando atualmente com mais de sete mil funcionários.


Nove costumes que só o gaúcho entende

rede social dos gaúchos
1 – Na roda de mate, a hospitalidade

O chimarrão pode ser apontado como um dos principais costumes do Rio Grande do Sul. Amargo e pelando de quente, mesmo no verão, é nas rodas de mate que a união prevalece. Difícil é não fazer amizades ao servir um chima – a bebida serve para quebrar qualquer gelo que possa existir, no trabalho ou até mesmo na família. Para a coordenadora cultural do Grupo de Pesquisas Folclóricas Alma Gaúcha, Zoraia Pereira, o chimarrão representa a hospitalidade do povo gaudério. “O chimarrão aproxima, iguala. E é referência da nossa cultura.” Com o mate, dá para reconhecer um gaúcho de longe. “Onde quer que um gaúcho encontre uma pessoa com uma cuia, já identifica.”

2 – Autencidade na maneira de se expressar

Moradores do Rio Grande do Sul possuem um linguajar atípico, muito diferente do que se fala em outras regiões do Brasil. O “gauchês” tem as suas expressões que podem não dizer nada para alguns. Para gaúchos, às vezes um “bah” vale mais que mil palavras. E é verdade – a expressão pode falar sobre qualquer sentimento, dependendo da entonação. "Bah" é praticamente o suspiro do gaúcho e pode expressar tristeza, felicidade, decepção, medo, admiração, raiva. O bah é universal. Já o “tchê” serve para chamar a atenção de alguém. O “tri” é a versão curta do antigo “trilegal” e o “capaz” é usado para dizer “não precisa”, ou “não se preocupe” ou ainda “é mesmo?”.

3 – Nós esquecemos dos plurais

Outra peculiaridade do “gauchês”: nós esquecemos dos plurais. Ou "dos plural", já que estamos falando sobre a linguagem única do Rio Grande do Sul. É algo natural, acontece sem ninguém perceber. Nós vamos ao súper, comprar umas cerveja e umas carne. A moeda também é única: tudo isso pode sair uns trinta pila. (Já percebeu? O pila também não é plural)

4 – Nada melhor que um carreteiro depois do churrasco

Reunir a família em um domingo ao meio-dia para comer churrasco é típico do gaúcho e não há nenhuma novidade. O prato tradicional é feito de uma forma única aqui. Assar uma carne pode ser a primeira opção para comemorar um aniversário, encontrar os amigos ou simplesmente passar o tempo. E para complementar, nada melhor que um carreteiro feito com a carne assada. A refeição também é costumeira.

5 – No inverno, tempo de lagartear no sol

Aproveitar o frio de renguear cusco que só existe no Rio Grande do Sul é pegar bergamotas (umas berga, para os íntimos) e lagartear no sol sem se atucanar. Se essa frase fosse lida em outra parte do País, seria: quando o frio é tão intenso que deixa até os cachorros encolhidos, o ideal é colher algumas tangerinas e comer sentado no sol sem se preocupar. E não podemos esquecer: as baixas temperaturas também são ótimas para comer pinhão junto da família.

6 – Um dicionário único

O “gauchês” também tem as suas palavras incomuns no resto do Brasil. Um cacetinho, por exemplo, significa um pão francês. Assim como um rabo quente significa um aquecedor de água. Cusco é um cão vira-lata. Entrevero é uma palavra usada para falar de uma confusão. Xucra é uma pessoa grosseira e por aí vai. Outras expressões também merecem destaque. Em cima do laço é estar em cima da hora, atrasado; juntar os trapos é usado para falar sobre casar; largar de mão é desistir e me caiu os butiá do bolso é para expor surpresa, choque ou decepção.

7 – Só aqui existe xis

O xis é um lanche típico do Rio Grande do Sul – servido em absolutamente todas as lancherias (gauchês para lanchonete). Não é um sanduíche e é bem diferente de um hamburguer. Para ficar melhor, só se for de coração de galinha – o sabor mais tradicional. O xis é prensado e são vários sabores para escolher. Ainda por cima, o pão é diferente de todos os outros lanches.

8 – As culturas alemã e italiana também fazem parte de tudo isso

Uma das boas coisas que o Rio Grande do Sul herdou das imigrações alemã e italiana é a culinária. São massas, pães, polentas e cucas. Há alguns sabores que podem torcer o nariz de quem não conhece. Cuca de doce de leite com linguiça, por exemplo, é uma ótima combinação para ser consumida durante a refeição. Massa recheada, como capelleti in brodo, também foi uma das heranças deliciosas deixadas no Estado.

9 – Só o gaúcho pode se arriar nos costumes

Todas essas tradições podem ser motivo de arriação (piada, brincadeira) para os gaúchos. Mas somente os habitantes do Rio Grande do Sul têm o direito de fazer esse tipo de brincadeira. Por exemplo, nas redes sociais há diversas páginas que citam os costumes do Estado em tom de piada. São raras as pessoas de outros lugares que vão entender essas tradições e, por isso, há um senso comum de que somente quem é daqui pode fazer piada com o bairrismo gaúcho. Nada mais justo, certo?

Fonte: GAZ

Prejuízo milionário pelo temporal no norte do Rio Grande

Temporal em Julio de Castilhos
Cidade de Júlio de Castilhos foi a mais atingida na região. Lavouras de fumo foram afetadas por chuva e ventania.

Os prejuízos provocados pelo temporal de domingo (1º) em Júlio de Castilhos, na Região Central do Rio Grande do Sul, passam de R$ 30 milhões, conforme levantamento feito pela Defesa Civil da cidade. Trinta e cinco municípios foram atingidos no estado, e duas pessoas morreram.

Em Júlio de Castilhos, a extensão dos estragos pode fazer com que a prefeitura decrete situação de emergência. Por causa da interrupção do fornecimento de energia elétrica, o abastecimento de água é prejudicado.

Para tentar amenizar a situação, caminhões circulam pela cidade e na região rural. Centenas de casas foram destelhadas, o que fez com que a Defesa Civil distribuísse 1,2 mil metros de lona.

Foram 40 minutos de tempestade, e a força do vento derrubou dezenas de árvores e danificou 17 postes de luz.

Fonte: G1

Setembro em nosso coração

tradição no coração
O mês de setembro é bem representativo para os gaúchos, além de comemorarmos o dia da independência do Brasil em 07 de Setembro, temos o nosso dia (alvo de controvérsias de pessoas que só nasceram no rincão gaúcho, mas não se sentem pertencentes ao nosso solo sagrado).

No dia 20, (aos interessados ou não) é comemorado a revolução farroupilha, com montagens dos acampamentos por este Rio Grande a fora.

A proposta da semana farroupilha deste ano (2017) na Maior Festa Popular do Rio Grande do Sul: “Farroupilhas: idealistas, revolucionários e fazedores de história” parte do princípio de que “A História de um povo só poderá ser bem interpretada, conhecendo-se a vida e a obra de seus filhos maiores” (Walter Spalding). 

A ideia é homenagear algumas das figuras centrais da Revolução Farroupilha: Bento Gonçalves da Silva, David Canabarro, Antonio de Souza Netto, Domingos José de Almeida, Giuseppe Garibaldi, José Mariano de Mattos, Afonso Corte Real, José Gomes Vasconcelos Jardim, Onofre Pires, Joaquim Teixeira Nunes, Antônio Vicente da Fontoura e Luiz Alves de Lima e Silva, entre outros.

Existem histórias que precisam ser contadas de heróis quase anônimos que por vezes são esquecidos. É no reconhecimento do trabalho e da trajetória dessas “figuras ocultas” que está o mérito de quem vai viver os festejos farroupilhas deste ano. 

Tantos méritos são dados a Bento Gonçalves mas, por vezes, deixamos de lado o sábio e experiente Gomes Jardim, além do Ministro da Fazenda e do Interior, Domingos José de Almeida – o baita financiador do 1º jornal dos farroupilhas. Heróis do "Decênio Heróico” ganharão destaque nas narrativas e imagens do jornal O Povo, recriado pela Schin para recontar esses capítulos da nossa história. 

Vale lembrar o baita Antônio de Souza Netto, irmão de Florisbelo de Souza Netto, pai do revolucionário de 1923, José Mattos Netto, o ‘Zeca Netto’, cujo último filho, do terceiro casamento era o Conselheiro Benemérito do MTG, recentemente falecido, Nei Pires Netto.

Vamos então falar até o dia 20/09, sobre a biografia de alguns heróis farroupilhas (alguns até já falados aqui no blog, e outros ainda a falar e relatar suas façanhas.

O primeiro a ser biografado (amanhã) - será ANTONIO DE SOUZA NETTO

Game of Thrones e o massacre gaúcho

Massacres gaúchos


Game of Thones está na cabeça de muita gente, ontem se despediram da sétima temporada, em que os Targaryen e Stark brigam pelo trono de Westeros. 

Mas nos pampa gaúcho, nas coxilhas e campos já tivemos um grande derramamento de sangue nos moldes da série aclamada pelo mundo da televisão. A única diferença que na revolução constitucionalista de 1893, os personagens morreram mesmo e teve decapitações em massa, inclusive de um líder maragato, chamado Gumercindo Saraiva.

Nesta cruel revolta aconteceram os episódios do Boi Preto e Rio Grande, onde vários combatentes foram degolados a sangue frio. Para se manter no poder, houveram fraudes em eleições e votos a cabresto. 

Para ilustrar transcrevemos este trecho do o historiador Joseph Love sobre isso escreve o seguinte: “Pelo menos num dos casos houve uma espécie de justiça bruta na execução: a vítima era um chefe castilhista de nome Manuel Pedroso, que havia saqueado e assassinado em suas andanças pelo município de Bagé. 

Quando Pedroso soube que fora punido com a degola, perguntou ao mulato, seu executor:

– Adão, quanto vale a vida de um homem guapo e de bem?

– Valente, sim. De bem…não sei! A vida de um homem vale muito, a tua não vale nada porque está no fio da minha faca e não há pila que pague, retorquiu Adão.

Atirando a sua cabeça para trás, a fim de tornar o trabalho de Latorre mais fácil, Pedroso 

Vociferou: 

Pois então degola, negro filha da puta! (LOVE: 1975, p. 72). Não resta dúvida que o coronel Pedroso morreu como um guapo e não temeu diante da morte. 

Mas antes disso parece que sua fama de homem cruel e expedito antecedia a da sua valentia e por isso era-lhe votado tanto ódio. 

Ninguém é morto dessa forma sem que antes tenha dada razão para a vazão de tanto ódio e esse parece o caso do coronel Pedroso, que antes de qualquer coisa era muito temido e odiado. 


Nível do Guaíba volta a subir após registrar menor marca desde 2005

Foto: Félix Zucco / Agencia RBS
Depois de ter atingido a menor marca dos últimos 12 anos no sábado, quando a água chegou a 0,24 metros, o nível do Guaíba voltou a subir e aumentou 76 centímetros. Na tarde deste domingo (13), foi registrado 1 metro no Cais Mauá, em Porto Alegre. De acordo com a Defesa Civil, a tendência é de que a situação seja normalizada com a virada do vento para Oeste e Sul. 

Conforme o Metroclima, um nível tão baixo assim no Guaíba só foi registrado entre fevereiro e março de 2005, durante um período de seca. No entanto, para esta época do ano, as baixas nas águas são consideradas atípicas.

Os motivos apontados pelo sistema de meteorologia da prefeitura da Capital são o vento nordeste e um período de 60 dias de pouca chuva em Porto Alegre. Dados das estações mostram que o vento predominante de Leste/Nordeste com pico de 79 km/h nos últimos dias gerou a baixa do Guaíba.

O futuro do aeroporto Salgado Filho sob gestão da Fraport

Porto Alegre
A alemã Fraport assinou o contrato para assumir por 25 anos o Aeroporto Internacional Salgado Filho, em Porto Alegre. 

Quais são as obrigações e obras mais impactantes previstas, a partir da transferência da gestão da Infraero para o grupo alemão. 

O consultor em aeroportos Fernando Bizarro detalha o que está em jogo e melhorias que podem ocorrer, além da expectativa sobre como será a aplicação do jeito alemão de administrar e a cultura local. Nesta sexta, a companhia anunciou a nova CEO para o Brasil. 

Confira no vídeo abaixo, a entrevista



Fonte: JCRS

A estreia do Inverno gaúcho

Muitos ainda não acreditavam, mas finalmente (para alguns) e infelizmente (para outros) o inverno estreou, sim com pompa e circunstância, trouxe frio, chuva gelada e neve.

Veja o vídeo (abaixo) da chuva e frio na cidade de São Marcos, na serra nordeste do Rio Grande do sul

@metsul neve misturada a chuva em São Marcos pic.twitter.com/cusoiCyajX

— leonardo michelon (@leo_michelon) 17 de julho de 2017
 
Confira como fica a temperatura, na semana, na capital de todos os gaúchos, Porto Alegre.
 
 

Turfe e classe, Derby de Epsom 2017

derby de epsom 2017
Mais clássico de todos os clássicos dos cavalos de corrida, disputado no hipódromo inglês que leva o nome de seu criador Lord Derby, o Derby esbanja classe e categoria na seleção de cavalos de três anos de idade. A história conta que a primeira edição se deu em 1780, com a vitória do cavalo Diomed e não foi interrompida nem na I e nem II Grande Guerra, é uma corrida na distância de 2423 metros (1 milha, 4 furlongs e 10 jardas), programada para o início de junho de cada ano, atualmente no hipódromo de Epsom Downs, em Epsom (Surrey). 


É a competição que criou o nome derby para os confrontos relevantes em todos os esportes. Faz parte da Tríplice Coroa Inglesa. O vencedor de 2017 foi Wings Of Eagles, filho Pour Moi (IRE)  e Ysoldina (FRA)


Amplitude térmica surpreende o estado

no sul e norte
TEMPO | Às 11h, Vale do Sinos com 28°C e Porto Alegre com 25°C, mas Canguçu com 5°C e Pelotas com 8°C. Incrível gradiente de temperatura.

Frente fria avança com pouca atividade, mas mudança radical  de temperatura agora à tarde e à noite será acompanhada de rajadas de vento na região metropolitana de Porto Alegre.

Clima

Clima
Tecnologia do Blogger.